HIPERTIREOIDISMO UMA DOENÇA QUE SE NÃO BEM DIAGNOSTICADA PODE TRAZER SÉRIAS CONSEQUÊNCIAS À SAÚDE, COMPROMETENDO TAMBÉM O SISTEMA CARDIOVASCULAR.

O termo hipertireoidismo é usado para caracterizar a hiperfunção da glândula tireóide e o termo tireotoxicose está relacionado às manifestações clínicas e bioquímicas devido ao excesso do hormônios nos tecidos do organismo, independente da causa. Ela afeta principalmente mulheres entre a 5ª e a 7ª décadas de vida, já pacientes que desenvolvem Doença de Graves, a desenvolvem em torno de 20 a 40 anos de idade. A Doença de Graves é a causa mais comum de tireotoxicidade com cerca de 60 a 80% dos casos, 10 a 30% corresponde ao bócio nodular tóxico, 2 a 10% ao adenoma tóxico e outras tireoidites. Em sua forma mais leve, o hipertireoidismo pode não apresentar sintomas facilmente reconhecíveis ou apenas cursar com sintomas inespecíficos, como sensação de desconforto e fraqueza. Mas o hipertireoidismo pode ser uma doença grave e séria e até mesmo colocar em risco a vida da pessoa. Nos idosos, o quadro clínico pode ser ausente ou leve e se manifesta através de arritmias cardíacas como a fibrilação atrial ou depressão, hipertireoidismo apático. A causa mais comum do hipertireoidismo é uma doença auto-imune (em que o próprio corpo produz anticorpos que “atacam” o órgão) chamada Doença de Graves. Outras causas do hipertireoidismo incluem o bócio multinodular (aumento do volume da glândula que leva a produção excessiva dos hormônios), os tumores da glândula tireóide, da glândula pituitária, dos testículos ou dos ovários, a inflamação da tireóide resultante de uma infecção viral ou outra inflamação, a ingestão de quantidades excessivas de hormônio tireoidiano e a ingestão excessiva de iodo.
agende-consulta-atualizada
Os sinais e sintomas característicos do hipertireoidismo podem ser detectados pelo médico, durante a história clínica e o exame físico. Adicionalmente, exames laboratoriais podem ser utilizados para confirmar o diagnóstico e definir a causa, como os listados abaixo:
TSH (hormônio estimulante da tireóide): o TSH é um hormônio que regula a produção dos hormônios tireoidianos (T3 e T4), quando a produção desses hormônios está alta, o nível de TSH diminui, e quando está baixa, o nível de TSH aumenta para estimular a produção dos hormônios tireoidianos. Um nível sangüíneo baixo do TSH é o melhor indicador de hipertireoidismo. Se o nível de TSH é muito baixo, é importante também checar os níveis de hormônio tireoidiano para confirmar o diagnóstico de hipertireoidismo. T4 livre e T3 livre (são os hormônios tireoidianos ativos): quando o hipertireoidismo se desenvolve, os níveis de T4 e T3 sobem acima dos valores normais.
TSI (imunoglobulina estimulante da tireóide): é uma substância freqüentemente encontrada no sangue quando a Doença de Graves é a causa do hipertireoidismo. Este teste não é solicitado rotineiramente, uma vez que ele raramente interfere nas decisões do tratamento.Os principais sintomas do hipertireoidismo são: intolerância ao calor, fraqueza e cansaço, palpitações, dificuldade respiratória, nervosismo, perda de peso, rouquidão, cabelos finos, queda dos cabelos, unhas finas e quebradiças, sensação de corpo estranho nos olhos, alteração do ciclo menstrual, dificuldade de deglutição.
AUTORES PROSPECTIVOS
Dr. João Santos Caio Jr
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM: 20611
Dra. Henriqueta V.Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM:28930 
Como Saber Mais:
1. O hipertireoidismo é grave…                                                                 http://hipertireoidismo.blogspot.com
2.Conheça um pouco mais sobre os sintomas do hipertireoidismo…   http://hipertireoidismo.blogspot.com
3.O hipertireoidismo pode levar à perda de peso…                                                http://drcaiojr.site.med.br/
AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.
Referências Bibliográficas:
Kisakol,G.,A Kaya et al.Bone and calcium metabolism in subclinical autoimmune hyperthyroidism and hypothyroidism.Endocr J, v.50. Bertoli, A.,A. Fusco, et al.Effect of subclinical hypothyroidism and obesity on whole-body and regional bone mineral content.horm Res, v57, n.3-4. Evered,D.C.,B.J.Ormston,et al.Grades of hypothyreoidism.Br Med J, v.1. Vânia Araújo Andrade, Ana Luiza Maia, Jorge Luiz Gross, Sandra Pinho Silveira – Rotinas Diagnósticas de Endocrinologia.
Contato
Fones: 55(11) 2371-3337 / (11) 5572-4848
Rua Estela, 515 – Bloco D – 12º andar – Conj. 121
Paraiso – São Paulo – SP – Cep 04011-002
e-mail: vanderhaagenbrasil@gmail.com
Site Van Der Häägen Brazil
http://www.vanderhaagenbrazil.com.br
http://drcaiojr.site.med.br
http://dracaio.site.med.br
Redes Sociais
https://www.tumblr.com/blog/myjoaosantoscaiojr
https://br.pinterest.com/joaocaiojr/
https://www.slideshare.net/CLINICACAIO
https://independent.academia.edu/JCaioJr
https://vanderhaagenclinic.wordpress.com/
https://instagram.com/clinicascaio/
↘Acesse nosso canal deixe seu like!
https://www.youtube.com/user/vanderhaagenbrazil1/videos
Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=
-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=
UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17
 

 

 

Anúncios

Sobre vanderhaagenclinic

MEMBRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA MEMBRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES ACTIVE MEMBER OF THE NEW YORK ACADEMY OF SCIENCES – USA MEMBRO DA AMERICAN ASSOCIACION FOR THE ADVANCEMENT OF SCIENCE – WASHINGTON – DC – USA ADA – AMERICAN DIABETES ASSOCIATION – USA ASSESSOR CIENTÍFICO EXTERNO NOVARTIS LABORATORIES – BASILÉIA – SUÍÇA MEMBRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE CLIMATÉRIO MEMBRO MASTER OF SOCIETY FOR ENDOCRINOLOGY – LONDON – UK HARVARD MEDICAL SCHOOL – BOSTON -USA – CONTINUOING EDUCATION COURSE JOSLIN MEDICAL CENTER – BOSTON – USA. COLÉGIO BRASILEIRO DE RADIOLOGIA – OSTEOPOROSE PESQUISADOR FASE 4 – LABORATÓRIO SANDOZ PESQUISADOR FASE 4 – PINDOLOL – LABORATÓRIO SANDOZ PESQUISADOR FASE 4 – FENIL PENTOL + BROMETO DE BENECTOMIO LABORATÓRIO BOEHRINGER INGELHEIM PESQUISADOR FASE 4 – CIPROTERON ACETAT – LABORATÓRIO SCHERING AG – COM PROFESSOR J.P.HAMERSTEIN – UNIVERSIDADE DE BERLIM – ALEMANHA PESQUISADOR FASE 3 – NATEGLINIDA – LABORATÓRIO NOVARTIS PESQUISADOR FASE 3 NATEGLINIDA +METFORMINA – LABORATÓRIO NOVARTIS/2002 – BASILÉIA – SUÍÇA MEMBRO DA AMERICAN CHEMICAL SOCIETY COLUMBUS,OH USA MEDICINA OCUPACIONAL MÉDICO DO TRABALHO DA GENERAL MOTORS DO BRASIL – SETOR DE MONTAGEM DE VEÍCULOS AUTOMOTORES – MVA – 1973/1976 MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELO TRECHO 15 RODOVIA DOS IMIGRANTES – CAMARGO CORREIA MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELO LABORATÓRIO COLLINS – 1976/1979 MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELA METALÚRGICA VULCÃO – 1980 MÉDICO DO TRABALHO RESPONSÁVEL PELA ÁGUA SANITÁRIA SUPER GLOBO – 1986
Esse post foi publicado em TIREÓIDE e marcado , , , , , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.